Ponderada observação

A época era de crise. Os empregos escasseavam.
Jovem, ele chegara na capital com o objetivo de estudar e, para se manter, buscara uma ocupação remunerada.
Agradável, com esmerado comportamento, logo ficou à vontade no convívio com os colegas. Sentia-se feliz por ter conseguido, graças a um amigo, a indicação para o cargo que ocupava.
Entretanto, depois de cerca de dois anos de atividade, Elói enveredou por uma estrada um tanto áspera.
Continuava, como no princípio, risonho, comunicativo. Contudo, passara a utilizar palavrões, no dia a dia. Por tudo e por nada, se alterava e passava a despejá-los, como numa torrente sem fim.
O pior é que introduzia blasfêmias em que ofendia a Divindade, de várias formas. Isso aborrecia os colegas que passaram apenas a tolerar a sua presença.
Economicamente acomodado, realizava com zelo seu trabalho. Cuidava do arquivo, de papéis de confiança, juntava a documentação em sua mesa, mantinha anotações precisas, enfim, era tido como um bom funcionário.
Possivelmente, tenha sido esse comportamento o segredo de ter conquistado a simpatia dos patrões e dos colegas.
Mas, agora, estava se tornando uma pessoa um tanto difícil de conviver. Por qualquer insignificância, proferia palavrões, neles incluindo o Pai Criador e todos os santos que lhe viessem à mente.
Certo dia, essa forma de agir atingiu o ápice. Procurando por um documento de importância, que lhe era solicitado, começou a mexer nas gavetas, em cima da sua mesa, no armário.
Tudo demonstrava o seu nervosismo por não localizá-lo. À medida que os minutos passavam, começou a se alterar.
E os disparates brotaram da sua boca. Deus é isso, Deus é aquilo, gerando um grande mal-estar no recinto de trabalho.
Enquanto os colegas se olhavam um ao outro, não sabendo o que fazer, o chefe do escritório, um homem calmo, respeitado, perguntou-lhe:
Rapaz, você acredita em Deus?
Um silêncio se fez. Colhido de surpresa, Elói não sabia o que responder. O ponderado senhor José voltou a fazer a pergunta, que continuou sem resposta.
Então, ele mesmo fez as considerações: Se você acredita em Deus e o ofende, maculando Aquele que nunca te fez mal, está sendo leviano e injusto.
Entretanto, se você não acredita em Deus, a conclusão é que está ofendendo Quem, no seu entender, não existe.
Como isso é contraditório, devemos admitir que você está doente, muito doente.
* * *
O Apóstolo Paulo, prisioneiro em Roma, escreveu aos companheiros de Éfeso, na Ásia.
Nessa carta, entre outras tantas advertências e orientações, estabeleceu: Não saia da vossa boca nenhuma palavra indigna, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem.
A amargura, raiva, cólera, gritaria, blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós.
Assinalava, dessa forma, o compromisso que temos de preservar o ambiente psíquico de onde nos encontramos.
Com nossas palavras podemos promover a paz ou a intranquilidade.
Importante que tenhamos isso em mente. Conforme pensamos, falamos, agimos, podemos colaborar para a harmonia.
Falemos, portanto, edificando o bem e proporcionando clima de bênçãos.

(Redação do Momento Espírita)
Compartilhe e espalhe fé e amor!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá!
O Seu comentário é muito importante para nós!
Porém, dados pessoais e pedidos com nomes e histórias não serão publicados, para não expormos ninguém. Nem sempre respondemos a todos os contatos e e-mail, mas certamente colocaremos a todos em oração.
Gratidão!